quinta-feira, 13 de junho de 2024

Luís Felipe Salomão envia ao STF e PGR relatório sobre "supostos" (entenda-se indícios fortes) crimes de Moro, Dallagnol e Hardt

 

Com a medida, Moro, Hardt e Dallagnol podem ser investigados na esfera penal pelo esquema de "cash back" descoberto na Lava Jato

Jornal GGN:

Foto: TSE/Divulgação

O Conselho Nacional de Justiça enviou ao Supremo Tribunal Federal e à Procuradoria-Geral da República cópia do relatório da Polícia Federal, incorporado aos autos da correição extraordinária realizada na 13ª Vara Federal de Curitiba e na 8ª Turma do TRF-4, que cita a participação de agentes da Lava Jato em suposto crime de peculato na modalidade desvio de recursos públicos.

A ação do ministro corregedor Luís Felipe Salomão data de terça-feira (11/6), poucos dias após o CNJ decidir, por 9 votos a 5, instaurar processo administrativo disciplinar contra a juíza federal Gabriela Hardt e outros três magistrados que atuaram no TRF-4, que teria afrontado decisões do STF.

No caso de Hardt, a Corregedoria entendeu que a juíza, ao homologar o acordo da famigerada Fundação Lava Jato, deixou suas digitais no esquema que movimentou bilhões de reais oriundos de acordos de leniência e delação premiada da Lava Jato. O esquema teria sido instituído na época em que Sergio Moro comandava a 13ª Vara Federal.

Salomão, que chamou o esquema de “cash back”, além de votar pela abertura de processos administrativos, remeteu os autos da correição ao STF e PGR, para que os fatos sejam apurados também na esfera penal.

No CNJ, a representação disciplinar contra Sergio Moro foi desmembrada do caso Hardt e ainda será apreciada pelo plenário. Quanto a Deltan Dallagnol, o CNJ não pôde aprofundar as investigações contra o ex-procurador da República, mas o relatório do delegado da Polícia Federal Élzio Vicente da Silva cita necessidade de apurar nas esferas competentes sua participação no conluio para supostamente desviar, para interesses próprios, os recursos dos acordos da Lava Jato.

No relatório, consta que o contexto em que a chamada fundação Lava Jato surgiu pode configurar possível crime comum. O relatório da PF sugere que a fundação privada – considerada inconstitucional e anulada pelo STF – aparentemente contemplaria as aspirações políticas de Deltan Dallagnol e Sergio Moro.

Conforme o GGN mostrou com exclusividade, em interrogatório realizado no âmbito da correição, Dallagnol afirmou que não se recorda de ter pressionado a juíza Gabriela Hardt para rapidamente homologar o acordo da fundação Lava Jato. Porém, a correição conta com depoimento da própria magistrada detalhando como foi abordada informalmente pelos procuradores de Curitiba.

Além disso, há elementos de provas indicando que Dallagnol esteve envolvido até o pescoço com o processo que a Petrobras enfrentou nos EUA por causa da Lava Jato. Além de ajudar os americanos a fabricar as denúncias que culminaram no acordo com pagamento de multa bilionária nos EUA pela Petrobras, Dallagnol teria negociado com os americanos o retorno de parte da multa ao Brasil. A fundação Lava Jato seria o instrumento idealizado por Dallagnol para internalizar os mais de R$ 2,5 bilhões da multa que seriam devolvidos às “autoridades brasileiras”.

Em paralelo aos passos dos americanos contra a Petrobras, Moro abriu um procedimento secreto que foi usado para administrar as contas judiciais que receberem, ao longo de vários anos, o dinheiro de multas pagas na Lava Jato. Sem transparência ou aparente critério, o próprio Moro, com ajuda de procuradores, decidiu como distribuir os recursos. Grande parte teria retornado aos cofres da Petrobras, a título de “reparação”, mesmo sem trânsito em julgado das ações. Com o caixa abastecido, a Petrobras conseguiu fazer frente à multa bilionária arbitrada nos EUA, e a Lava Jato em Curitiba planejou se beneficiar adiante com o retorno da multa para os cofres da fundação privada. Salomão chamou o esquema de “cash back”.



quarta-feira, 12 de junho de 2024

A indústria naval e a volta da construção pesada no país e que foram destruídas pela Lava Jato de Moro e Dallagnol, por Luís Nassif

 

A Lava Jato foi precisa na destruição da economia para benefício dos concorrentes internacionais, como as grandes empreiteiras americanas.

Do Jornal GGN:

Tânia Rêgo – Agência Brasil

É assustador o levantamento do Sinicon (Sindicato Nacional de Indústria da Construção Pesada e Infraestrutura)  sobre os efeitos da Lava Jato no setor:

1. Foram eliminados 4,65 milhões de postos de trabalho.

2. Houve efeito de 3,6% do PIB.

3. Deixou-se de arrecadar R$ 47,4 bilhões em impostos e R$ 20,3 bilhões em contribuições sobre a folha. E reduziu a massa salarial em R$ 85,5 bilhões e em R$ 172,2 bilhões de investimento no período 2014/2017.

Entre 2014 e 2019 o volume de investimentos em obras caiu 31%, segundo a ABDIB (Associação Brasileira de Infraestrutura). Em relação ao gasto público a queda foi de 52%.

4. O faturamento das 100 maiores empresas de construção despencou de R$ 138 bilhões em 2013 para R$ 56 bilhões em 2022.

5. O número de engenheiros contratados caiu de 224,7 mil em 2014 para 7.043 em 2017.

A consequência imediata foi a invasão do mercado brasileiro pelas grandes construtoras internacionais.

Mesmo assim, a construção civil pesada preservou o grau de excelência que a transformou, antes da Lava Jato, em um player mundial.

Agora, tenta-se o renascimento através da volta dos pedidos de navios da Petrobras, permitindo o revigoramento dos estaleiros nacionais, arrasados pela irresponsabilidade generalizada do país em torno da Lava Jato.

O financiamento às exportações

O crescimento internacional das empreiteiras brasileiras, a partir de 1995, deveu-se aos programas  de financiamento à exportação. Entre 1995 e 2015, subiram de 1,5% para 3,2% do mercado global.

A Lava Jato foi precisa na destruição da economia interna, para benefício dos concorrentes internacionais, especialmente as grandes empreiteiras americanas. Criminalizou o financiamento à exportação de serviços, reduzindo em 90% seu desembolso.

No auge das exportações brasileiras de bens e serviços, a cadeia produtiva empregava 1,2 milhão de pessoas e gerava receitas de US$ 1,5 bilhão ao ano. Hoje em dia, está tudo zerado. Ao mesmo tempo, o mercado interno restringiu-se a poucas obras, tocadas por pequenas empreiteiras de atuação municipal ou regional, campos fértil para a atuação do PCC.

A indústria naval

A possibilidade de retomada da indústria naval abre espaço para a recuperação da capacidade da construção pesada no país.

Recentemente,  a FIEB (Federação das Indústrias do Estado da Bahia) preparou um documento com sugestões de aperfeiçoamento para a política de petróleo e gás.

Mesmo com o desastre promovido pela Lava Jato, o Brasil possui 23 dos 50 maiores projetos offshore do mundo, com investimentos já realizados que somam R$ 149,5 bilhões.

As sugestões do trabalho concentram-se à política de Conteúdo Nacional.

No plano anterior, a cada ano que passava aumentava o percentual de conteúdo nacional para as plataformas.  O trabalho chama a atenção para o caso da Noruega, que implantou política de Conteúdo Local de forma coordenada e transitória, mas – importante – associada a diversas outras iniciativas, para aumentar a competitividade.

Houve políticas públicas integradas para incentivar a tecnologia e inovação, acesso a financiamento, sistema tributária, formação de recursos humanos. E aí se entra em tema que tem sido ignorado pelo governo: políticas industriais precisam necessariamente da integração só possível em grupos de trabalho interdisciplinares.

Em suma, nenhuma política de Conteúdo Local será bem sucedida se não for amparada por políticas industriais para os setores fornecedores. O que implica em envolver o MDIC, a Finesp (Financiadora de Estudos e Pesquisas), o BNDES, o Ministério da Fazenda, a Receita Federal, a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial.

As propostas

Uma das propostas é a definição dos segmentos prioritários para o Conteúdo Nacional.  Em lugar de fazer de tudo um pouco, diz o estudo, os critérios deveriam indicar segmentos de maior valor agregado, além de priorizar geração de empregos e ambiente intensivo em tecnologia.

Dois estudos recentes – da ONIP (Organização Nacional da Indústria do Petróleo) e do IBP (Instituto Brasileiro de Petróleo) avaliaram os setores, de acordo com o esforço de desenvolvimento e a capacidade de gerar empregos.

Segundo o trabalho, cada projeto, em fase de investimento, apresenta dificuldades diferenciadas para cumprimento do Conteúdo Local. A proposta é que os excedentes, na contabilização do Conteúdo Local, sejam transferidos para outros projetos da mesma empresa.

Propõe também uma ponderação diferenciada, de acordo com a maior ou menor relevância do segmento. Essa ponderação permitiria gerar escala para alguns segmentos, permitindo que outros possam ser importados, como forma compensatória, desde que, no final, fosse obtido o valor global do Conteúdo Local previamente combinado.

Outra proposta é a conversão de investimentos em PD&I (Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação) das empresas fornecedores em Conteúdo Local para os bens e serviços por ela produzidos, valendo-se dos mesmos critérios da “Lei do Bem”, que privilegia projetos de inovação tecnológica.

Outro item proposto, para inclusão nos índices de Conteúdo Local, são os investimentos em qualificação profissional. Trata-se de um setor em que capital expressivo tem sido investido na formação profissional. E a Agência Nacional de Petróleo (segundo o estudo) já desenvolveu capacidade para analisar projetos de formação de recursos humanos.

Outro item a ser considerado é a capacidade de exportação, como parâmetro de avaliação da competitividade de uma empresa. Sugere-se a conversão de valores exportados de bens e serviços em Conteúdo Local.

Finalmente, propõe a conversão dos investimentos na contabilização do Conteúdo Local, de acordo com a definição de segmentos prioritários.

É um início de discussão. Mas o projeto só terá êxito se houver grupos de trabalho, composto pelos principais órgãos públicos envolvidos no tema, pelos sindicatos de empresas e de trabalhadores.

terça-feira, 11 de junho de 2024

Leonardo Sakamoto: Privatização de praias dá surra no bolsonarismo com sua própria estratégia

 

Do UOL:

Segundo reportagem do UOL, Flávio Bolsonaro tem perdido o debate nas redes sociais sobre a PEC de privatização das praias. Para Leonardo Sakamoto, a família Bolsonaro está sofrendo com a própria estratégia: "Eles estão sofrendo com o uso bem-sucedido de uma estratégia que lhes é bastante familiar: pegar um caso complexo, traduzir em uma ideia simples e rapidamente replicável ao grosso da população e bombar nas redes e aplicativos de mensagens"



Reinaldo Azevedo: Bolsonaro pega carona em neofascistas e neonazistas da Europa e defende inimigos do Brasil

 

Da Rádio BandNews FM:




Reinaldo Azevedo: Eis aqui, Tarcísio de Freitas, o "bolsonarismo-raíz". É ou não é?

 

Da Rádio BandNews FM:






segunda-feira, 10 de junho de 2024

Em Gaza, a sinfonia da morte. Artigo de Chris Hedges

 

Rafah é o último refúgio e as bombas são a morte que chove do céu. Centenas de milhares fogem – tentativa patética para Israel. Não há mais código moral: o genocídio é sua redenção. A humanidade, indiferente, não vê sua própria ruína

Foto: Al-Shifa/AFP

Por Chris Hedges, em seu Substack | Tradução: Glauco Faria

Corram, exigem os israelenses, corram para salvar suas vidas. Fujam de Rafah como fugiram da Cidade de Gaza, como fugiram de Jabalia, como fugiram de Deir al-Balah, como fugiram de Beit Hanoun, como fugiram de Bani Suheila, como fugiram de Khan Yunis. Fujam ou nós os mataremos. Lançaremos bombas de 2 mil libras em seus acampamentos. Vamos pulverizá-los com balas de nossos drones equipados com metralhadoras. Vamos bombardeá-los com projéteis de artilharia e tanques. Nós os abateremos com atiradores de elite. Vamos dizimar suas tendas, seus campos de refugiados, suas cidades e vilas, suas casas, suas escolas, seus hospitais e suas estações de purificação de água. Faremos chover morte do céu.

Corram por suas vidas. De novo e de novo e de novo. Empacotem os poucos pertences patéticos que lhes restam. Cobertores. Algumas panelas. Algumas roupas. Não nos importamos se vocês estão exaustos, se estão com fome, se estão apavorados, se estão doentes, se são velhos ou jovens. Corram. Corram. Corram. E quando vocês correrem aterrorizados para uma parte de Gaza, nós os faremos dar meia-volta e correr para outra. Presos em um labirinto de morte. Para frente e para trás. Para cima e para baixo. De um lado para o outro. Seis. Sete. Oito vezes. Nós brincamos com vocês como ratos em uma armadilha. Depois, nós os deportamos para que nunca mais possam voltar. Ou matamos vocês.

Deixe o mundo denunciar o nosso genocídio. O que nos importa? Os bilhões em ajuda militar fluem sem controle do nosso aliado americano. Os caças. Os projéteis de artilharia. Os tanques. As bombas. Um suprimento infinito. Matamos crianças aos milhares. Matamos mulheres idosos aos milhares. Os doentes e feridos, sem remédios e hospitais, morrem. Envenenamos água. Cortamos a comida. Nós fazemos vocês morrerem de fome. Nós criamos esse inferno. Nós somos os mestres. Lei. Obrigação. Um código de conduta. Eles não existem para nós.

Mas primeiro brincamos com vocês. Nós humilhamos vocês. Nós aterrorizamos vocês. Nós nos deleitamos com seu medo. Nós nos divertimos com suas tentativas patéticas de sobreviver. Vocês não são humanos. Vocês são criaturas. Não são humanos. Alimentamos a nossa libido dominandi  o nosso desejo de dominação. Veja nossas postagens nas redes sociais. Elas se tornaram virais. Uma mostra soldados sorrindo em uma casa palestina com os proprietários amarrados e vendados ao fundo. Nós saqueamos. Tapetes. Cosméticos. Motos. Joia. Relógios. Dinheiro. Ouro. Antiguidades. Nós rimos de sua miséria. Nós comemoramos sua morte. Celebramos a nossa religião, a nossa nação, a nossa identidade, a nossa superioridade, negando e apagando a sua. 

A depravação é moral. Atrocidade é heroísmo. Genocídio é redenção.

Jean Améry, que esteve na resistência belga durante a Segunda Guerra Mundial e foi capturado e torturado pela Gestapo em 1943, define o sadismo “como a negação radical do outro, a negação simultânea do princípio social e do princípio da realidade. No mundo do sádico, a tortura, a destruição e a morte são triunfantes: e tal mundo claramente não guarda esperança de sobrevivência. Pelo contrário, ele deseja transcender o mundo, alcançar a soberania total negando os outros seres humanos – o que ele vê como representando um tipo particular de ‘inferno’”.

Em Tel Aviv, Jerusalém, Haifa, Netanya, Ramat Gan, Petah Tikva, quem somos nós? Lavadores de louça e mecânicos. Trabalhadores de fábricas, coletores de impostos e motoristas de táxi. Coletores de lixo e funcionários de escritório. Mas em Gaza somos semideuses. Podemos matar um palestino que não fique apenas de cueca, caia de joelhos e implore por misericórdia com as mãos amarradas nas costas. Podemos fazer isso com crianças de 12 anos e homens de 70 anos.

Não há restrições legais. Não há código moral. Há apenas a emoção inebriante de exigir formas cada vez maiores de submissão e formas cada vez mais abjetas de humilhação.

Podemos nos sentir insignificantes em Israel, mas aqui, em Gaza, somos o King Kong, um pequeno tirano em um pequeno trono. Caminhamos pelos escombros de Gaza, cercados pelo poder das armas industriais, capazes de pulverizar em um instante blocos de apartamentos e bairros inteiros, e dizemos, como Vishnu, “agora eu me tornei a morte, o destruidor de mundos”.

Mas não estamos satisfeitos em simplesmente matar. Queremos que os mortos-vivos prestem homenagem à nossa divindade.

Esse é o jogo jogado em Gaza. Esse foi o jogo jogado durante a Guerra Suja na Argentina, quando a junta militar “desapareceu” 30.000 de seus próprios cidadãos. Os “desaparecidos” foram submetidos à tortura – quem não pode chamar de tortura o que está acontecendo com os palestinos em Gaza? – e humilhados antes de serem assassinados. Esse foi o jogo jogado nos centros de tortura clandestinos e nas prisões de El Salvador e do Iraque. É o que caracterizou a guerra na Bósnia, nos campos de concentração sérvios.

Essa doença que esmaga a alma nos atravessa como uma corrente elétrica. Ela infecta todos os crimes em Gaza. Ela infecta cada palavra que sai de nossas bocas. Nós, os vencedores, somos gloriosos. Os palestinos não são nada. Vermes. Eles serão esquecidos.

O jornalista israelense Yinon Magal, no programa “Hapatriotim” do Canal 14 de Israel, brincou que a linha vermelha de Joe Biden era o assassinato de 30 mil palestinos. O cantor Kobi Peretz perguntou se esse era o número de mortos por dia. O público explodiu em aplausos e risadas.

Colocamos “latas-armadilhas” que lembram latas de comida nos escombros. Palestinos famintos são feridos ou mortos quando os abrem. Transmitimos os sons de mulheres gritando e bebês chorando em quadricópteros para atrair os palestinos para que possamos atirar neles. Anunciamos pontos de distribuição de alimentos e usamos artilharia e franco-atiradores para realizar massacres.

Somos a orquestra nesta dança da morte.

No conto An Outpost of Progress (Um Posto Avançado de Progresso), de Joseph Conrad, ele fala de dois comerciantes europeus brancos, Carlier e Kayerts. Eles são enviados a uma estação comercial remota no Congo. A missão espalhará a “civilização” europeia na África. Mas o tédio e a falta de restrições rapidamente transformam os dois homens em feras. Eles trocam escravos por marfim. Entram em uma disputa por causa da escassez de alimentos. Kayerts atira e mata seu companheiro desarmado, Carlier.

“Eles eram dois indivíduos perfeitamente insignificantes e incapazes”, escreve Conrad sobre Kayerts e Carlier:

…cuja existência só se torna possível por meio da alta organização de multidões civilizadas. Poucos homens percebem que sua vida, a própria essência de seu caráter, suas capacidades e audácias, são apenas a expressão de sua crença na segurança de seu ambiente. A coragem, a compostura, a confiança, as emoções e os princípios, todos os pensamentos grandes e insignificantes pertencem não ao indivíduo, mas à multidão; à multidão que acredita cegamente na força irresistível de suas instituições e de sua moral, no poder de sua polícia e de sua opinião. Mas o contato com a selvageria pura e absoluta, com a natureza primitiva e o homem primitivo, traz problemas repentinos e profundos ao coração. Ao sentimento de estar sozinho em sua espécie, à clara percepção da solidão de seus pensamentos, de suas sensações – à negação do habitual, que é seguro, acrescenta-se a afirmação do incomum, que é perigoso; uma sugestão de coisas vagas, incontroláveis e repulsivas, cuja intrusão desconcertante excita a imaginação e põe à prova os nervos civilizados tanto dos tolos quanto dos sábios.

Rafah é o prêmio no fim do caminho. Rafah é o grande campo de extermínio onde massacraremos os palestinos em uma escala nunca vista nesse genocídio. Observe-nos. Será uma orgia de sangue e morte. Será de proporções bíblicas. Ninguém nos deterá. Matamos em paroxismos de excitação. Somos deuses.

Reinaldo Azevedo: Distorção proposital da fala de Haddad expõe o ódio e o golpismo de parte do mercado e da imprensa contra Lula

 

Da Rádio BandNews FM:




O que (ainda) nos separa de um novo conflito explícito global e os interesses da indústria da guerra governando a América e o mundo...

 

O imenso gasto militar dos EUA já não é comandado pela Casa Branca, mas por um enxame de empresas que lucram com a destruição. Seu poder e riqueza produzem um país desigual e ressentido, mas ainda incapaz de deter o projeto de suas elites

Foto: Sandra Welch/U. S. Airforce

Por Wolfgang Streeck, em El Salto | Tradução: Glauco Faria

1. Guerras em geral

As guerras são sobre matar e morrer. Isso as torna questões emocionantes, beirando o metafísico. Quando se trata de combate no terreno, não existem guerras tecnocráticas limpas e justas, travadas no campo de batalha com a Convenção de Haia sobre Guerra Terrestre em mãos. Se é preciso escolher entre cometer um crime de guerra ou morrer, os soldados não pensam muito nisso. Também não conseguem parar de odiar aqueles que querem sua morte, o que torna mais fácil a eles matar seus inimigos primeiro por precaução. As famílias em casa perdoarão; é melhor que morra o inimigo do que o seu filho, o seu marido ou o seu pai. Soldados serem acusados por crimes de guerra pelo seu país é algo raro; a condenação é ainda mais rara, uma vez que a moralidade é mais importante na guerra do que a moral.

As guerras alimentam a si mesmas. As guerras produzem sempre novas razões para continuar, incluindo os crimes de guerra inevitavelmente cometidos ou atribuídos ao inimigo e o ódio que geram, bem como os interesses em conflito. Porque o acontecimento de uma guerra é incerto – o campo de batalha é uma fonte estocástica -, há sempre a esperança ou o medo de que a sorte mude; ser irracional pode, neste sentido, ser a escolha racional. A fortuna e a virtude, como em Maquiavel, tornam-se indistinguíveis; os marechais de campo podem ser demitidos por falta de fortuna. O resultado nunca é certo. As partes derrotadas têm um incentivo para lutar até o último homem, até a última bala; o inimigo pode estar à nossa porta, mas do nosso lado do portão pode haver uma Wunderwaffe [arma milagrosa] quase pronta a ser utilizada.

A propaganda é tão importante para o sucesso de uma guerra como o armamento e, portanto, absorve investimentos financeiros e políticos igualmente extensos.

As guerras muitas vezes duram mais tempo do que o esperado. As guerras são iniciadas na esperança de que as crianças estejam em casa no Natal. Depois, demora um pouco mais até a ofensiva da primavera seguinte. E assim por diante. À medida que uma guerra se arrasta, o seu objetivo original é esquecido ou enriquecido ou obscurecido por uma série de objetivos adicionais, alguns relacionados com o curso da própria guerra – o desejo de vingança ou o desejo de restaurar a “justiça” punindo o inimigo pelos seus crimes, confundindo o campo de batalha com um tribunal – e outros que são atirados para o famoso “caixote do lixo” da tomada de decisões políticas: agora que já estamos em guerra, não podemos também fazer X e Y, por exemplo, mostrar à União Soviética o que uma bomba nuclear pode fazer, para além de derrotar o Japão? Quanto maior for o número de objetivos, maior será o tempo necessário para os alcançar em número suficiente para poder suspender o derramamento de sangue. Além disso, lembrem-se de Heráclito: “A guerra é o pai de todas as coisas”, onde as coisas podem incluir uma nova indústria de armamento construída em tempo recorde pelo inimigo.

As guerras são alimentadas pelo ódio e pelo medo. Uma vez iniciados, impostos pela necessidade de matar e morrer em grande escala, o ódio e o medo tornam-se meios indispensáveis de destruição. A sua geração e cultivo é o trabalho da propaganda, um termo que entrou pela primeira vez na política na Revolução Francesa. A propaganda é tão importante para o sucesso de uma guerra como o armamento e, por isso, absorve um investimento igualmente grande, financeiro e político. O seu principal instrumento é a demonização do inimigo, de preferência estilizando-o como um único indivíduo diabólico – o Kaiser, Stálin, Hitler, Saddam Hussein, Putin -, um indivíduo simultaneamente louco sem remorsos e absolutamente mau e que, por isso, “só entende a linguagem do punho” (nas palavras de um dos meus professores do liceu, nos anos 50, sobre “o russo”). Para justificar a guerra em grande escala de um povo contra outro povo, o indivíduo malvado pode ser apresentado como representante do seu povo ou, de fato, do seu exército. Tanto o povo como o exército tendem a ser representados como estando envolvidos na prática de assassinatos sem sentido, incluindo bebês e crianças pequenas, na prática de tortura e mutilação de prisioneiros e, em particular, na violação de mulheres: “bárbaros”, por outras palavras, como os “orcs” russos e os terroristas do Hamas. Na propaganda moderna, os inimigos não podem fazer a paz, porque gostam de cometer crimes de guerra pelo simples prazer de os cometer: os crimes que cometem não são um meio para um fim específico, mas um fim em si mesmo. O fato de haver guerra deve-se, portanto, apenas à sua loucura; não há mais pré-história de guerra entre eles e nós do que essa convulsão doentia presente nas suas almas adoecidas, onde reinam apenas as paixões violentas e onde está ausente todo o interesse racional sobre o qual se poderiam oferecer concessões. Por isso, devemos odiá-los como eles nos odeiam, e nos prepararmos para os destruir totalmente, para que não façam o mesmo conosco.

Inimigos existenciais. Em Der Begriff des Politischen [O conceito do político], Carl Schmitt (1932), mais tarde o jurista supremo de Hitler, escreveu (era 1922, a memória da Primeira Guerra Mundial ainda estava fresca):

Nenhum programa, nenhum ideal, nenhuma regra e nenhuma conveniência confere o direito de dispor da vida física de outras pessoas. Exigir seriamente que as pessoas matem outras pessoas e estejam dispostas a morrer para que o comércio e a indústria dos sobreviventes possa florescer, ou para que o poder de consumo dos netos possa prosperar, é atroz e insano.

E mais adiante: “Não há nenhum propósito racional, nenhuma norma, por mais correta que seja, nenhum programa, por mais exemplar que seja, nenhum ideal social, por mais belo que seja, nenhuma legitimidade ou legalidade que possa justificar que as pessoas se matem umas às outras”. A única justificativa para “tal aniquilação física da vida humana” é “a afirmação existencial de sua própria forma de existência contra a negação igualmente existencial dessa forma [por um] inimigo existencial”: um seinsmäßiger Feind, que não pode coexistir conosco da mesma forma que não podemos coexistir com ele. Mesmo “uma guerra [travada] para acabar com todas as guerras” não passa no teste:

Tais guerras são necessariamente guerras particularmente intensas e desumanas porque […] elas devem simultaneamente degradar o inimigo em categorias morais e outras e transformá-lo em um monstro desumano, que não deve apenas ser repelido, mas definitivamente destruído, ou seja, não se trata mais apenas de um inimigo que deve ser empurrado para trás de suas fronteiras.

Em outras palavras, representar o que poderia ser um inimigo não existencial como um inimigo existencial. Fazer isso é a tarefa da propaganda, disfarçar um conflito de interesses que poderia ser resolvido pela diplomacia como um conflito de vida ou morte entre formas incompatíveis de existência. A ideia é que isso contribua para vencer uma guerra ilegítima, fazendo com que ela pareça inevitável, algo que se torna mais tentador quanto mais a guerra se prolonga e quanto mais vidas humanas são sacrificadas. Seguindo Schmitt (1922), podemos adotar como hipótese nula que, em vez de postular que a guerra é travada entre inimigos existenciais, os inimigos existenciais são criados pela e para a guerra.

2. Guerras modernas

Meios de produção, meios de destruição. Foi Friedrich Engels, livre da presença intimidadora do seu amigo após a morte de Marx em 1883, quem começou a expandir a história materialista da sociedade capitalista para incluir o desenvolvimento dos meios não só de produção, mas também de destruição: os meios tecnológicos e sociais de guerra (Streeck, 2020). Engels nunca renunciou explicitamente à doutrina marxista anterior de que a força militar de um país é uma função da sua força industrial. Com o tempo, porém, a ligação entre ambas as forças parecia ter-se tornado menos estreita na sua opinião, brincando ocasionalmente com a ideia de que talvez a direção da causalidade pudesse ser invertida em certos casos, passando da tecnologia militar para a tecnologia militar civil. Nos últimos anos da sua vida, Engels continuou a compilar informações detalhadas sobre as armas de todos os Estados europeus, até à última espingarda. Engels atribuiu a sua modernização sem fim a uma dinâmica específica evidente nas corridas armamentistas da época entre as potências europeias, impulsionadas pelo progresso tecnológico, como aconteceu na primeira guerra moderna, a Guerra Civil Americana, que Marx e Engels acompanharam de perto. As corridas armamentistas, que obrigavam os países a alcançar continuamente os outros para não serem deixados para trás, foram consideradas por Engels como uma causa próxima da guerra por direito próprio, tornando a distinção clássica entre agressão e guerra praticamente obsoleta. Em 1887, menos de três décadas antes de 1914, Engels (1887) previu uma guerra mundial iminente de uma dimensão nova e até então desconhecida:

Oito a dez milhões de soldados vão se confrontar entre si e, no processo, deixarão a Europa mais nua do que um enxame de gafanhotos. As depredações da Guerra dos Trinta Anos comprimiram-se em três ou quatro anos e espalharam-se por todo o continente; a fome, as doenças, a queda universal na barbárie, tanto dos exércitos como dos povos, como consequência da miséria aguda; o deslocamento irremediável do nosso sistema artificial de comércio, indústria e crédito, que terminará na falência universal; o colapso dos velhos Estados e da sua sabedoria política convencional, ao ponto de as coroas rolarem para as valas às dúzias e ninguém estar por perto para as recolher; a absoluta impossibilidade de prever como tudo terminará e quem sairá vitorioso da batalha […]. Esta é a perspectiva para o momento em que o desenvolvimento sistemático da competição mútua em armas atinge o seu clímax e finalmente produz os seus frutos inevitáveis.

Si vis pacem para bellum. Durante a Guerra Fria, este foi o lema da indústria de dissuasão ocidental, desde os think tanks transatlânticos até aos comandantes da Otan para retratar a corrida armamentista da época como a forma moderna de pacifismo. Se você quer paz, prepare-se para a guerra. Mas não era exatamente isso que os romanos tinham em mente. Quando se prepararam para a guerra, prepararam-se para ir à guerra e vencer. A paz que a sua preparação iria produzir – a Pax Romana – foi a paz após a conquista; o inimigo derrotado de uma vez por todas: esta foi a única paz que os romanos, que nunca assinaram tratados de paz, puderam imaginar. Ceterum censeo Carthaginem esse delendam, destruído, não pacificado. Uma vez que Friedrich Engels compreendeu a lógica da Eigendynamik [dinâmica endógena] das corridas armamentistas em sociedades industrialmente inovadoras, o lema pacifista deve ser si vis pacem para pacem. Lembremos que Parabellum foi o nome da pistola utilizada pelo exército e pela polícia alemã desde 1908 até o final da Segunda Guerra Mundial.

Hoje, a relação entre a guerra e a economia parece assumir uma forma diferente no contexto da luta dos governos contra a estagnação econômica.

Tecnologia e estrutura social. Note-se que o colapso civilizacional que Engels previu não foi causado por uma crise econômica, mas por uma corrida armamentista que saiu do controle de uma classe política incompetente. Note-se também que a guerra que deu origem a este colapso foi muito pior, especialmente para o proletariado, do que a pior crise capitalista imaginável àquela altura. A culpa era do Estado, ou da comunidade de Estados, não da economia capitalista, e o futuro dos que estivessem vivos seria decidido, sobretudo, não pelo ciclo econômico ou pela queda da taxa de lucros, mas por um teste de força militar. Engels, que podemos dizer ter sido o primeiro a experimentar uma sociologia da tecnologia, há muito se interessava pela forma como os diferentes tipos de armas afetavam a organização dos exércitos: a divisão do trabalho no local de trabalho. Ele também parecia perceber que a perspectiva de morrer no campo de batalha ou nas mãos de um exército invasor tinha que ser mais ameaçadora para a classe trabalhadora do que ficar empobrecida por uma recessão econômica, de modo que os trabalhadores eram mais propensos a unir-se em torno dos seus Estados e economias políticas nacionais do que em torno dos seus partidos revolucionários internacionalistas. O que Engels, que morreu em 1895, não viveu para ver, mas talvez esperasse, foi que a propriedade monopolista do Estado moderno sobre os modernos meios de destruição poria finalmente fim aos projetos sindicalistas de organização política das sociedades industriais após 1918. Nem teve ele a oportunidade de observar como, depois de 1945, o mundo foi dividido em dois blocos mantidos unidos pelos respectivos países imperiais, armados com bombas nucleares, então a última máquina de matar moderna. De certa forma, isso projetou no cenário internacional a divisão de classe capitalista: um bloco proletário-comunista na sua autopercepção, por um lado, e um bloco burguês-capitalista, por outro, o primeiro dos quais às vezes se referia a um Alto Volta, hoje Burkina Faso, equipado com ogivas nucleares, nome usado para ilustrar graficamente a dissociação entre capacidade industrial e militar. No momento presente, e olhando para o futuro, não sabemos como o rápido desenvolvimento de armas químicas e biológicas, cuidadosamente escondidas da opinião pública mas progredindo em bom ritmo, a colocação de satélites armados no espaço sideral e a introdução generalizada da inteligência artificial nos arsenais militares dos Estados atuais, e qual o impacto que tudo isso terá no campo de batalha, nas ordens nacionais e na própria ordem internacional, por exemplo, na já duvidosa distinção no direito internacional entre agressão e defesa.

Nas três décadas desde a dissolução da União Soviética, não houve um único dia em que os Estados Unidos não estivessem em guerra em algum lugar do mundo.

Guerra e economia. As guerras enriquecem os produtores de armas e é por isso que eles gostam das guerras e, claro, dos seus preparativos. O aumento dos gastos em armas também pode ajudar a acabar com a estagnação econômica: veja-se, por exemplo, o resgate do New Deal como um programa de emprego face à iminente Segunda Guerra Mundial. É por isso que a esquerda há muito suspeita que os países travaram guerras para beneficiar a sua indústria armamentista e não, inversamente, que a indústria armamentista beneficiou o país. Hoje, a relação entre a guerra e a economia parece assumir uma forma diferente no contexto da luta dos governos contra a estagnação econômica. O campo de batalha contemporâneo parece ser o campo de testes mais exigente para a digitalização avançada, como é o caso, por exemplo, da inteligência artificial. Além disso, os produtores de inteligência artificial utilizados na guerra podem garantir aos clientes civis que os seus sistemas funcionaram nas circunstâncias mais extremas. Da mesma forma, os governos consideram mais fácil convencer os contribuintes da necessidade de subsidiar algumas das maiores e mais lucrativas empresas do planeta por uma questão de “segurança nacional” e não de “política industrial”. Recordemos a origem da Internet no orçamento militar dos EUA e, na verdade, do setor da tecnologia da informação de Silicon Valley. Com financiamento público, a inteligência artificial pode ser testada na guerra e, depois de melhorada, migrar para a economia mais ampla, para talvez reiniciar um crescimento econômico vigoroso.

3. Guerras globais

Defesa. Os Estados Unidos da América ocupam um continente inteiro, da Califórnia à ilha de Nova Iorque, com tudo o que se possa desejar. Faz fronteira com dois oceanos, o Pacífico e o Atlântico, e com dois países, o Canadá e o México, dos quais o seu vizinho do norte é praticamente o seu quinquagésimo primeiro estado, enquanto o seu vizinho do sul está firmemente sob o seu controle militar e econômico. Para efeitos práticos, devido ao seu tamanho e localização, o território dos Estados Unidos não pode ser invadido, nem pode, desde a invenção da defesa antimísseis, ser atacado do exterior. Contudo, em vez de confiar a sua segurança nacional à “milícia bem ordenada” da sua Guarda Nacional, os Estados Unidos, em nítido contraste com a sua imunidade geográfica, mantêm um enorme establishment militar muito acima de qualquer necessidade defensiva imaginável, uma situação que não acabou de todo com a Guerra Fria, muito pelo contrário. Embora durante a década de 1990 os Estados Unidos tenham conseguido receber um “dividendo da paz”, uma vez que os seus gastos militares diminuíram 26%, na década da “Guerra ao Terror”, que durou de 2000 a 2010, aumentaram nada menos que 80%, atingindo uma magnitude uma vez e meia superior ao máximo alcançado na Guerra Fria. Depois de um declínio durante a presidência de Obama, esse valor aumentou novamente em cerca de US$ 100 bilhões por ano entre 2017 e 2022. Durante todo o período, os gastos militares dos EUA superaram em muito os de seus principais rivais, China e Rússia. Em 2010, eram dezoito vezes os gastos da Rússia e seis vezes os da China; em uma corrida armamentista global, ambas as proporções caíram para 10 e 2,7, respectivamente.

Defesa avançada. A defesa dos Estados Unidos, mesmo que esteja localizada em uma ilha-fortaleza invulnerável do tamanho de um continente, exige, aos olhos dos americanos, medidas que se estendem muito além da pátria americana, o que a torna cara. Nas três décadas desde a dissolução da União Soviética, não houve um único dia em que os Estados Unidos não estivessem em guerra em algum lugar do mundo. Para isso, mantém cerca de 750 bases militares no exterior em aproximadamente 80 dos 200 estados membros das Nações Unidas (a China tem uma base, em Djibuti; a Rússia tem nove, oito em países vizinhos e uma na Síria). O que os Estados Unidos defendem não é sua pátria, mas sua pretensão de ser o principal mantenedor da paz do mundo, mostrando-se forte o suficiente para definir o que deve ser a paz, como ela deve ser imposta e por quem, sendo o orçamento de defesa dos EUA essencialmente o programa neoconservador Next American Century expresso em dólares. “Os gastos vinculados às forças armadas dos EUA em 2024 chegarão a cerca de US$ 1,5 trilhão, ou aproximadamente US$ 12 mil por domicílio, se somarmos os gastos diretos do Pentágono, os orçamentos da CIA e de outras agências de inteligência, o orçamento da Administração de Veteranos, o programa de armas nucleares do Departamento de Energia, a ‘ajuda externa’ vinculada às forças armadas do Departamento de Estado (como com Israel) e outros itens orçamentários relacionados à segurança” (Sachs, 2023).

Irresponsabilidade inveterada. Embora os Estados Unidos possam e tenham perdido várias guerras no exterior nas últimas décadas, do Vietnã em diante, isso não os afeta em nada, dadas as suas condições geográficas. Após a derrota dos EUA no Iraque, uma frota de navios de guerra iraquianos não apareceu na Baía de Chesapeake a caminho de Washington D.C. para exigir a extradição do criminoso de guerra, George W. Bush, com a intenção de entregá-lo ao Tribunal Penal Internacional em Haia. Essa realidade torna fácil para os Estados Unidos conduzir seus assuntos internacionais com despreocupação errática, o que é perigoso para os outros, mas não para o próprio país. Os governos dos EUA podem se dar ao luxo de cometer erros em assuntos externos sem medo de punição, e é por isso que os EUA sempre podem se retirar com total despreocupação de lugares como o Afeganistão ou a Líbia, onde seus projetos de construção de nações fracassaram, deixando a população local e seus vizinhos limparem a bagunça causada por essa negligência criminosa.

Dado o enorme aparato militar e de inteligência dos EUA, tão em desacordo com sua invulnerabilidade efetiva, pode ser um erro buscar muita coerência e racionalidade na política de segurança nacional dos EUA. Na verdade, haveria boas razões para conceber a formulação da política externa dos EUA não como uma estratégia abrangente e coerente desenvolvida na Casa Branca, mas como um mercado político competitivo em torno do qual prolifera uma infinidade de pessoas empreendedoras envolvidas em tarefas de planejamento, desde os vários braços das forças armadas até os serviços secretos, por meio de uma infinidade de instituições de pesquisa e empresas ligadas a lobbies, desenvolvendo simultaneamente projetos de intervenção no exterior para os quais buscam permissão do establishment político e que, se obtidos, permitem que eles tenham acesso a recursos de financiamento, obtenham prestígio público e ganhem experiência no campo de batalha. Esses projetos podem fazer pouco sentido do ponto de vista do interesse nacional dos EUA, mas fazem muito sentido do ponto de vista do crescimento organizacional dessas organizações e instituições dentro do competitivo mercado de segurança e guerra do setor de defesa militar dos EUA.

Número de mortos. As guerras dos EUA são massacres em vez de batalhas, o que é ainda mais verdadeiro para as guerras israelenses. Nas duas décadas da Guerra do Vietnã (1955-1975), os Estados Unidos perderam 58.220 soldados, incluindo os que morreram no Vietnã em decorrência de acidentes não relacionados a combates, um número aproximadamente semelhante ao número de mortes anuais causadas por acidentes de trânsito nos Estados Unidos na época. As baixas vietnamitas foram estimadas entre 1,8 e 3,3 milhões, tanto militares quanto civis; a contagem exata não está disponível devido à maneira como a carnificina ocorreu (principalmente pelo ar, por meio de bombardeios). Isso equivale a uma proporção de mortes entre 30 e 57 para cada soldado americano morto. Posteriormente, a proporção melhorou ainda mais. Na Guerra do Golfo de 1991, 383 soldados americanos e 59.500 iraquianos foram mortos, uma proporção de 1:138. Durante os vinte anos de guerra no Afeganistão, 2.354 militares americanos perderam suas vidas para aproximadamente 99.000 combatentes afegãos, uma proporção de 1:45, que mais do que dobrou na invasão do Iraque por George W. Bush, quando 4.839 americanos morreram para 460.000 iraquianos, uma proporção de 1:94 mortos. Na Síria, houve uma melhora ainda maior, com uma proporção de 1:805 (113 americanos e 91.000 inimigos mortos). Os israelenses não se saíram tão bem nos vinte e três dias da Operação Chumbo Fundido (2008-2009), que resultou em 6 soldados das Forças de Defesa de Israel e 1.391 palestinos mortos, a maioria em Gaza, em uma proporção de 1:231 mortos. Na atual guerra de Gaza, em 28 de março de 2024, 32.490 habitantes de Gaza foram mortos, com 251 soldados israelenses mortos, em uma proporção de 1:129, a maioria mulheres e crianças.

O que é um terrorista foi estabelecido no direito internacional pelos Estados Unidos à luz da sua “Guerra ao Terror” após os ataques de 11 de setembro de 2001.

O poder internacional mascara o declínio nacional. O fato de os Estados Unidos continuarem sendo, de longe, a nação militarmente mais poderosa do mundo faz com que sejam um modelo para outros países, mesmo que sua sociedade esteja em um processo de rápido declínio. O poder externo e a miséria interna andam de mãos dadas há algum tempo, e não há nenhuma indicação de que isso não continuará. Mesmo a derrota dos EUA no Iraque, no Afeganistão, na Síria e em outros lugares não diminuiu o apelo romântico de sua capacidade ilimitada de matar; há glamour em poder infligir a morte a outros à vontade. O poder superior também permite a cooptação transfronteiriça de correspondentes em outras sociedades. As tropas estrangeiras podem, por exemplo, por meio da Otan, ter acesso a treinamento e equipamentos (“brinquedos para os meninos”, incluindo, recentemente, as meninas) que seus próprios países jamais poderiam fornecer. Além disso, a familiaridade com as estruturas de comando e as práticas de inteligência dos EUA leva a oportunidades de carreira no país e no exterior que, de outra forma, estariam fora de alcance.

Soldados profissionais de fora dos EUA, provavelmente até mesmo em países como a Rússia ou o Irã, veem sua tecnologia militar com admiração e inveja. (O mesmo acontece em setores como ciência e modelos de negócios, especialmente em bancos, esportes, entretenimento etc.). O fato de as famílias norte-americanas terem um endividamento recorde; o fato de a renda e a riqueza nos EUA serem distribuídas de forma mais desigual do que em qualquer outro país “desenvolvido”; o fato de a mortalidade infantil ser dramaticamente mais alta e a expectativa de vida ser dramaticamente mais baixa, embora os gastos com saúde per capita sejam mais altos do que em qualquer outro lugar do mundo; que os cidadãos dos EUA estão armados até os dentes, com o número de tiroteios em massa tendo aumentado de forma tão explosiva nos últimos anos, bem como o número de mortes por overdose (107.000 em 2021, duas vezes e meia mais do que em qualquer outra parte do mundo). O número de mortes por overdose (107.000 em 2021, duas vezes e meia mais do que em qualquer outra parte do mundo), e assim por diante, não parece ter a menor importância para o establishment dos EUA: o soft power global dos EUA flui do hard power global dos EUA.

4. Guerra contra os bárbaros

Guerra assimétrica. Quando, em 2007, Israel fechou a Faixa de Gaza, onde vivem mais de dois milhões de pessoas, e deitou fora as chaves, deixando a ordem social nas mãos do Hamas e o abastecimento alimentar nas mãos da UNRWA, embora, nas suas próprias palavras, fosse limitado a “aparar a grama” de vez em quando, deveríamos pensar que isso teria sido o fim do assunto, deixando os habitantes de Gaza a cozinharem no seu próprio suco para sempre. Na verdade, a prisão ao ar livre em Gaza (David Cameron) tornou-se provavelmente o lugar mais bem guardado do mundo, com as telecomunicações locais (internet, telefone) todas nas mãos de Israel e, claro, sem qualquer direito legal à privacidade. Consideremos a carta enviada em 12 de setembro de 2014 ao primeiro-ministro de Israel por quarenta e três oficiais e soldados da unidade de elite 8200 do Serviço Secreto, anunciando a sua recusa em continuar a servir:

A população palestina sob regime militar está completamente exposta à espionagem e vigilância por parte da inteligência israelita […]. As informações coletadas e armazenadas […] são usadas para perseguição política e para criar divisões dentro da sociedade palestina, recrutando colaboradores e desencadeando comportamentos de partes da sociedade palestina contra si mesma. A inteligência permite o controle contínuo sobre milhões de pessoas por meio de vigilância e invasão próximas e intrusivas na maioria das áreas da vida.

Mas, então, a potência ocupante, infinitamente mais bem equipada com tecnologia de vigilância do que qualquer outra potência conhecida na história, aparentemente não notou ou, de qualquer forma, não tomou providências quanto aos preparativos para a fuga da prisão em 7 de outubro de 2023, aparentemente tão cruel e sangrenta quanto são as fugas da prisão. Esses preparativos devem estar em andamento há anos: a construção da rede de túneis, o treinamento de dezenas de milhares de combatentes dispostos a morrer – “terroristas”, na terminologia adotada pelos Estados Unidos e pela União – muitos dos quais, se acreditarmos nas autoridades israelenses, ainda devem estar vivos depois de meio ano de bombardeio implacável. Talvez as vantagens militares da superioridade tecnológica tenham seus limites, fazendo com que aqueles que as desfrutam se tornem excessivamente confiantes e possam ser derrotados pela capacidade dos seres humanos, demonstrada em outros casos também, de sobreviver nas circunstâncias mais desesperadoras, no caso presente, aparentemente evitando os meios tecnológicos mais sofisticados de vigilância por meio de notas escritas à mão que circulam clandestinamente por carteiros humanos. Quando encurralados, os “bárbaros”, ou seja, os guerrilheiros que não dispõem das mais recentes tecnologias ocidentais, podem ser inventivos. Onde, por exemplo, os habitantes de Gaza conseguem os mísseis que continuam a disparar contra Israel através da linha de demarcação, quase todos interceptados pelo Iron Dome de Israel, mas aparentemente úteis para o moral e a autoimagem dos habitantes de Gaza como parte ativa na guerra? A resposta é que os projéteis que os israelenses vêm disparando contra a Faixa de Gaza há anos, e que agora foram lançados contra Gaza de forma avassaladora, supostamente os mais sofisticados do planeta, têm uma taxa de erro de 10% a 15%. São esses mísseis que falharam que os combatentes do Hamas pegam, reciclam e retornam ao seu local de origem.

Baixa tecnologia, alta tecnologia. Quando a terra precisa ser tomada, as guerras devem ser travadas a pé, com alta tecnologia ou não. Hoje em dia, a apropriação de terras parece ter menos a ver com dominar outros povos e mais com matá-los ou expulsá-los para que as próprias pessoas possam se estabelecer na terra, como em Gaza e na Ucrânia. Isso também pode ser uma resposta à tentativa de implantação de forças militares na vizinhança – o glacis – de um império por outro. Em ambos os casos, pode haver uma guerra terrestre à moda antiga, anacrônica à primeira vista, com dois exércitos de homens, em sua maioria proletários, que se enfrentam e se mutilam ou se matam nas trincheiras, para serem celebrados como heróis por seus governos, pela mídia nacional e por suas famílias. Mesmo quando a luta é ostensivamente corpo a corpo, a alta tecnologia pode estar funcionando melhor do que a baixa tecnologia, como atestam as taxas de mortalidade. Assim, Israel parece estar usando a tecnologia de reconhecimento facial em larga escala para compilar uma longa lista de várias dezenas de milhares de “combatentes do Hamas” que seriam alvos de assassinato.

Também está em uso um sistema de mira baseado em inteligência artificial chamado ‘the Gospel’ (o Evangelho), que identifica alvos para ataques de bombardeio muito mais rápido do que as equipes humanas de mira de antigamente. De acordo com um consultor do exército israelense, citado em reportagens publicadas na imprensa em dezembro de 2023, “um grupo de vinte oficiais poderia produzir de cinquenta a cem alvos em trezentos dias. Em comparação […] o Evangelho e seus sistemas de inteligência artificial associados podem sugerir cerca de duzentos alvos em dez a doze dias, uma taxa pelo menos cinquenta vezes mais rápida”. O The Guardian informou, em 1º de dezembro de 2023, que “na guerra de onze dias de Israel contra o Hamas, em maio de 2021, [o Gospel] gerou cem alvos por dia”. Citando um oficial militar israelense, a notícia indicava que “para medir essa proporção, basta lembrar que, no passado, produzíamos cinquenta alvos em Gaza por ano”. O Guardian continuou: “De acordo com os números divulgados pelas Forças de Defesa de Israel em novembro [de 2013], Israel atingiu 15 mil alvos em Gaza durante os primeiros 35 dias da guerra, um número consideravelmente maior do que em operações militares anteriores no território costeiro densamente povoado. Comparativamente, na guerra de 2014, que durou cinquenta e um dias, a IDF atacou entre cinco e seis mil alvos”. Olhando para as imagens da destruição causada em Gaza pelos bombardeios israelenses, é de se perguntar se a tecnologia avançada de mira era mesmo necessária, já que simplesmente bombardear tudo, quer se movesse ou não, teria feito o trabalho da mesma forma.

Civilizado versus terrorista. Se tivermos um número suficiente de F-16 – Israel tem duzentos e vinte e quatro, mais trinta e nove F-35 ainda mais avançados – somos um país civilizado que exerce, quando necessário, o seu “direito à autodefesa” contra o “terrorismo”. Se não tem nem F-16 nem F-35, ou mesmo se não tem qualquer avião de combate, como o Hamas, e recorre, para a sua “autodefesa”, a facas ou, a um nível um pouco mais avançado, a armas, isso faz de si um terrorista. O que é um terrorista foi estabelecido no direito internacional pelos Estados Unidos na sequência da sua “Guerra ao Terror”, após os atentados de 11 de setembro de 2001. Os terroristas não têm direito à autodefesa; são párias da “comunidade internacional” dos países civilizados e podem, por isso, ser encarcerados em Guantánamo até ao fim dos seus dias. Do mesmo modo, a prática israelense de “aparar a grama” em Gaza, que dura há uma década, nunca foi considerada “terrorista” porque, ao contrário da fuga da prisão de Gaza, em 7 de outubro, foi levada a cabo com caças F-16. Se os habitantes de Gaza estivessem na posse de um número competitivo de caças F-16, essa fuga da prisão nunca teria ocorrido. No entanto, ninguém estava disposto a lhes vender. “Aparar a grama” era a gíria do governo israelense para designar o assassinato ocasional de habitantes de Gaza selecionados (“a grama ainda está crescendo”) através de bombardeios aéreos seletivos, indivíduos identificados pelos serviços secretos israelenses como potenciais líderes de uma eventual revolta contra o regime de ocupação em Gaza. Este regime, que em 7 de outubro já estava em vigor há dezesseis anos, tinha entregue a Faixa de Gaza ao Hamas e à UNWRA, permitindo que a organização islâmica assumisse o controle da vida e da ordem social, a fim de manter a Fatah à margem e, assim, tornar impossível a solução de dois Estados. Não há memória de ninguém no Ocidente ter referido a este regime como terrorista, incivilizado ou bárbaro.

Mortes pós-heróicas. Desde a Guerra do Vietnã, os EUA têm trabalhado arduamente para desenvolver tácticas e tecnologia de campo de batalha que minimizem o risco de os seus soldados voltarem para casa em sacos de cadáveres. As perdas americanas no Vietnã já tinham sido minúsculas em comparação com a Segunda Guerra Mundial e a Guerra da Coreia, devido à forte dependência de exércitos fantoches locais pagos e equipados pelos Estados Unidos. No entanto, muitos dos mortos eram recrutas. Posteriormente, os Estados Unidos aboliram essencialmente a conscrição, seguidos mais ou menos rapidamente pelos seus aliados europeus. Logo, porém, até os soldados profissionais mortos na guerra se tornaram um risco político a evitar. Na era da microeletrônica, o meio escolhido para o fazer foi a nova tecnologia. Em alguns casos, um dos benefícios foi o fato de a sua utilização ter ajudado a minimizar os danos colaterais, permitindo a seleção de inimigos para serem mortos de forma personalizada, embora isto nem sempre tenha funcionado, como aconteceu quando os drones de Obama mataram não só o líder tribal afegão que era o alvo, mas também a sua festa de casamento. Durante algum tempo, o info-entretenimento político patrocinou discussões sobre a situação dos operadores de drones que trabalhavam com os seus ecrãs e joysticks nos Estados Unidos para eliminar malfeitores individuais, ou planejadores do mal, por meio de mísseis Hellfire, e não estou brincando, disparados de um drone e que atingiam os seus alvos do nada. Descobriu-se que mesmo este tipo de assassinato à distância não deixava os assassinos indiferentes, pelo que foi necessário oferecer-lhes assistência psicológica. Também se debateu a ética, ou a falta de ética, de travar uma guerra com sistemas de armas não tripulados guiados por inteligência artificial, talvez entre os EUA e a China, ou a Microsoft e a Huawei, facilmente transmitida numa ou noutra televisão por assinatura. Mas este cenário era irrealista desde o início, e não apenas quando o objetivo é o controle territorial ou a apropriação de terras, como em Israel ou na Palestina. Atualmente, é comum que apenas um dos lados disponha de tecnologia avançada, como é o caso dos israelenses em Gaza. Com a sua ajuda, as Forças de Defesa de Israel podem matar indiscriminadamente, mas também discriminadoramente, quantas pessoas entenderem, dezenas de milhares se tanto, sem perder mais do que um pequeno punhado das suas tropas majoritariamente conscritas, segundo o governo israelense não só “o melhor exército do mundo”, mas também dos “mais éticos”.

Hitler em toda parte. O modelo das guerras modernas como cruzadas morais é a Segunda Guerra Mundial, na qual a Alemanha e Adolf Hitler são apresentados como o inimigo prototípico. Isso serve para demonstrar que buscar a paz sem erradicar o mal é apaziguamento; que uma guerra adequada deve terminar não com um acordo de paz, mas com a rendição incondicional da parte maligna; que nenhuma iniciativa tomada contra uma parte maligna pode constituir um crime de guerra, pois atende à necessidade imperativa de acabar com um desastre que, de outra forma, seria interminável; que nenhum sacrifício de vida humana, em nenhum dos lados da frente, é grande demais para a vitória final; que a paz com um império maligno é fundamentalmente corrupta (“Munic”); que morrer na guerra por seu país, se for o país certo, é heroico, ao contrário de morrer pelo país errado, que é vergonhoso e até criminoso. Além disso, a origem da guerra está sempre no inimigo, independentemente de quem saca primeiro; qualquer ação contra um inimigo maligno é justificada, ao passo que nenhuma ação desse inimigo pode ser. Mas, embora no caso de Hitler e da Alemanha isso possa ou não ter sido o caso (embora, de qualquer forma, não estivesse entre os vários objetivos de guerra dos Aliados evitar ou acabar com o Holocausto), hoje a grade conceitual extraída disso se aplica a todas as guerras modernas em geral: “Quem é o ‘inimigo mais perigoso’ dos Estados Unidos? Escolha você mesmo de acordo com a época. Saddam Hussein, o Talibã, Hugo Chávez, Bashar al-Assad, ISIS, al-Qaeda, Gaddafi, Vladimir Putin, Hamas, todos desempenharam o papel de “Hitler” na propaganda dos EUA” (Sachs, 2023). E pode-se acrescentar, dobrando a dose, na propaganda de guerra verde-alemã, maniqueísmo por toda parte: o fim do mundo, o fim da democracia e da civilização no mundo, a luta contra o autoritarismo prestes a assumir o controle, a menos que seja impedida por nossos meninos, impedida por meninos e meninas alemães lutando contra o espectro dos meninos alemães de duas gerações atrás, lutando contra o mal. Hoje, a memória estilizada de Hitler substitui as lembranças frescas da guerra onipresente após a conclusão da Segunda Guerra Mundial, cuja lição parece ser a de que o direito internacional e a diplomacia também devem garantir a paz, e que devem fazê-lo precisamente entre Estados com ordens internas diferentes e objetivos externos conflitantes; que os custos da guerra (como os 60-80 milhões de mortes causadas nos seis anos da Segunda Guerra Mundial), via de regra, superam seus benefícios; e que é melhor deixar a mudança de regime em um “Estado desonesto” (George W. Bush) para seus cidadãos do que para exércitos estrangeiros.

Demonizando posições anti-Israel. Para o Estado de Israel, uma maneira eficaz de demonizar ou dar existência a um inimigo é atribuir sua inimizade ao antissemitismo. Desde o Holocausto, o conceito de antissemitismo tem sido inseparavelmente associado ao desejo maligno de matar pessoas apenas porque são judias, porque pertencem a uma coletividade, sem um Estado, que não tem o direito de existir, porque é intrinsecamente má. Dada a memória do antissemitismo alemão no Terceiro Reich, pode-se hoje atribuir legitimamente ao antissemitismo uma qualidade demoníaca além do ódio normal entre inimigos normais, o que, é claro, já é ruim o suficiente. A ação hostil contra as instituições ligadas ao Estado de Israel pode então, mas é claro que não precisa, ser legítima apenas na medida em que houver outros motivos que a impulsionem além do antissemitismo. O resultado é que se a propaganda israelense conseguisse definir a hostilidade anti-israelense não-antissemita como antissemita, então o Estado de Israel não poderia fazer nada de errado para se defender. Portanto, deve ser tentador para o Estado de Israel e seu governo rotular todos os seus inimigos indiscriminadamente como antissemitas, como um modelo de comunicação estratégica mais ou menos justificado por estar em guerra, que é o que Israel vem fazendo há décadas. Isso efetivamente eliminaria a distinção entre antissemitismo e anti-israelismo, ajudado pelo fato de que Israel se define não apenas como um Estado, mas explicitamente como um Estado judeu, na verdade o Estado judeu. Quando Judith Butler sugeriu que o ataque do Hamas a Israel no dia 7 de outubro poderia ter sido um ato normal de guerra, tão mortal e sujo quanto é a guerra normal, em particular, uma tentativa, provavelmente desesperada, de acabar com o confinamento imposto pelo Estado de Israel dezesseis anos antes à população de Gaza, foi um ato secular de resistência contra uma potência ocupante em vez de um ato demoníaco de massacrar judeus por serem judeus, foi demonizada pelos que odeiam o Hamas como uma pessoa que odeia judeus em vez de simplesmente uma oponente da política israelense. Ninguém além deles sabe, é claro, o que estava na mente daqueles que romperam a cerca israelense para sequestrar, torturar e matar; na verdade, tudo o que sabemos é o que as autoridades militares israelenses nos disseram em uma comunicação inevitavelmente estratégica. Superficialmente, que é tudo o que podemos ver neste momento, não parece necessário, no entanto, atribuir o ataque a outra coisa senão a um desejo humano trivial de pôr fim a uma prisão coletiva de longo prazo e aparentemente indefinida imposta em violação de qualquer lei internacional aplicável. Nas palavras de Butler, isso tornaria a ação anti-israelense e não antissemita, sendo o anti-israelismo mais que suficiente para explicá-la e não sendo necessário recorrer ao antissemitismo segundo o senso comum ockhamiano.

5. Guerras boas, guerras ruins

Guerras boas. As guerras pós-modernas, especialmente aquelas apoiadas pelos “verdes”, têm como objetivo erradicar o mal, abolir impérios malignos e promover a justiça global, e não apenas garantir a paz. Isso era diferente nas primeiras décadas após a Segunda Guerra Mundial, quando a guerra era considerada um mal maior do que a injustiça, uma posição mantida por um tempo até mesmo pelos Estados Unidos, durante a presidência de Eisenhower e nos últimos anos da presidência de John F. Kennedy. Agora, em nome do “dever de proteger”, muitas vezes estendido ao dever de abolir o autoritarismo e substituí-lo pela democracia, as razões idealistas para ir à guerra voltaram. Agora existe a paz maligna, que pode ser mais maligna do que a guerra. Um dos problemas é que as nações pequenas e fracas não podem cumprir o dever de melhorar o mundo; somente as grandes e poderosas têm os meios de destruição necessários. Entretanto, essas nações não podem lidar com todas as injustiças do mundo ao mesmo tempo e, portanto, precisam ser seletivas e, da mesma forma, têm interesses diferentes que vão além da proteção dos fracos em prol da justiça global. Portanto, precisam definir prioridades em sua política nacional e, assim, escolher entre casos de injustiça autoritária a serem corrigidos, bem como entre a meta de fazer justiça e outras metas menos universalistas. Os países pequenos que buscam a justiça global, para a qual dependem de países maiores, devem levar isso em consideração. Além disso, no mundo real, a luta contra a injustiça em que há benefícios a serem obtidos por aqueles que lutam por justiça tenderá a ter precedência sobre a luta contra a injustiça que não tem o que poderia ser chamado de dividendo de justiça para aqueles que lutam por justiça. Além disso, considerando os recursos da propaganda moderna, parece de fato viável, especialmente em Estados democráticos, disfarçar uma guerra egoísta como uma guerra travada pelo interesse geral. Como já observamos, à medida que as guerras progridem, elas inevitavelmente se tornam carregadas de novos propósitos adicionais que podem se sobrepor aos originais ou, em geral, servem para reformular a guerra, refletindo as mudanças de circunstâncias e os acontecimentos inesperados. As guerras, repito, têm vida própria, o que pode deixá-las fora de controle.

Kriegsschuld [culpa de guerra]. A propaganda de guerra moderna consiste em atribuir a responsabilidade por uma guerra em andamento exclusivamente ao inimigo. O método escolhido para isso é isolar a guerra de sua história, fazendo com que sua história comece com um movimento recente do outro lado, situado o mais próximo possível do momento em que a guerra começou, cortando-a assim da sequência de interações que a precederam. As pressões estatais e sociais devem, então, proibir a menção ao contexto histórico da guerra como uma ação social, um contexto que geralmente foi moldado pelas ações de mais de uma das partes envolvidas na guerra. Na Alemanha, essa referência à história é chamada de Relativierung (relativização), compartilhando com outros a culpa do inimigo pela eclosão da guerra. Mencionar os esforços dos EUA e da Otan para incluir a Ucrânia no “Ocidente”, enquanto se recusa a negociar garantias de segurança com a vizinha Rússia, facilmente alcança o status de Putinknecht (servo de Putin) ou Putinversteher (simpatizante de Putin). Da mesma forma, colocar a fuga da prisão do Hamas em 7 de outubro e o massacre associado de cidadãos israelenses no contexto do regime de prisão a céu aberto de Israel na Faixa de Gaza ou no massacre de Sabra e Shatila em 1982, Temos de suportar uma vasta gama de diagnósticos de antissemitismo de vários órgãos públicos e privados encarregados de monitorar o antissemitismo. Da mesma forma, na Alemanha, é um tabu poderoso sugerir que a ascensão nazista ao poder em 1933 e, consequentemente, o início da Segunda Guerra Mundial na Alemanha seis anos mais tarde, poderia ter sido devido a qualquer outra coisa além da depravação do povo alemão como, por exemplo, os Tratados de Versalhes (como Keynes apontou em 1919), a ocupação do Ruhr em 1923 ou o regime de reparações de guerra.

Guerras legítimas? De acordo com a Carta da ONU, “Todos os membros devem resolver suas controvérsias por meios pacíficos, de modo que a paz e a segurança internacionais e a justiça não sejam ameaçadas” (Artigo 2, 3). Mais especificamente: “As partes em uma controvérsia cuja persistência possa pôr em risco a manutenção da paz e da segurança internacionais deverão, em primeiro lugar, buscar uma solução por meio de negociação, inquérito, mediação, conciliação, arbitragem, solução judicial, recurso a agências ou acordos regionais ou outros meios pacíficos de sua escolha” (Artigo 33, 1). Considera-se que as guerras são precedidas por “disputas” que, se não forem resolvidas, podem levar à guerra. Quando esse conflito é provável, todos os Estados envolvidos são chamados a cumprir sua obrigação de tentar, por todos os meios possíveis, preservar a paz. Nesse sentido, a soberania nacional contemporânea implica não apenas direitos, mas também deveres: não apenas direitos de autodefesa, mas também deveres de tentar garantir que a autodefesa não seja necessária. As guerras travadas por países que se recusaram a “buscar uma solução por meio de negociação, investigação, mediação, conciliação, arbitragem, acordo judicial, recurso a órgãos ou acordos regionais ou outros meios pacíficos de sua própria escolha” não podem ser guerras legítimas.

As guerras incentivam as pessoas a conceberem as nações holisticamente como indivíduos, atribuindo a elas propriedades como heroísmo ou covardia.

Guerras justas. É difícil determinar se uma guerra é justa ou não, dada a variedade de teorias sobre o assunto. O que podemos dizer é que, como interações sociais apaixonadas, as guerras tendem a ultrapassar seu objetivo original, justo ou injusto, ao serem carregadas de causas adicionais, derivadas de sua conduta como tal – ódio, desejo de vingança – ou de tentativas oportunistas de acertar contas antigas não relacionadas aos motivos originais da guerra. Os objetivos da guerra tendem a se tornar menos específicos e mais difusos à medida que as guerras avançam e os objetivos potencialmente injustos se fundem ou se sobrepõem aos justos. Na Segunda Guerra Mundial, o fim da guerra de conquista da Alemanha logo foi incluído como um objetivo de guerra pelos Aliados ocidentais para o derramamento de sangue da União Soviética, que, por sua vez, foi incluído por objetivos, justos ou injustos, como eliminar a Alemanha para sempre como um Estado-nação soberano ou puni-la aniquilando seu patrimônio cultural e sua identidade, em vez de, por exemplo, tentar primeiro uma mudança de regime. As guerras não são travadas a sangue frio, sine ira ac studio. Além disso, as guerras justas podem deixar de ser justas se seus objetivos originais, como originalmente concebidos, não forem mais alcançáveis; sacrificar vidas humanas por um fim inatingível não é moral, como sugere o Papa Francisco com sua defesa de uma bandeira branca ucraniana. Além disso, é inerentemente difícil, sob fogo, sair de uma guerra sem saber quais condições o inimigo vai impor e, talvez ainda mais importante, saber como explicar aos próprios partidários que um erro de cálculo foi cometido, a menos que o inimigo nos inflija uma derrota total.

Guerras legais? A Guerra do Golfo de 1991 foi travada por uma coalizão de quarenta e um países, reunida e liderada pelos Estados Unidos, sob mandato do Conselho de Segurança das Nações Unidas, no breve momento histórico em que a China e a Rússia estavam prestes a se juntar ao “Ocidente”, que estava se expandindo para incluir os demais. Naquela época, o Japão e a Alemanha estavam prosperando economicamente, especialmente como concorrentes dos Estados Unidos, e foram obrigados a pagar pela expedição à qual declararam que não poderiam aderir de acordo com os termos de suas Constituições pós-guerra impostas pelos EUA. George Bush pai, como comandante-chefe das Nações Unidas, permaneceu dentro do mandato da ONU e se absteve de entrar no Iraque e derrubar Saddam Hussein, algo que ele poderia facilmente ter feito. Isso não terminou bem, pois a demonstração de disciplina legal de Bush não foi apreciada por seus eleitores americanos. Sentindo-se privados de suas devidas comemorações de Missão Cumprida, vários veteranos da Guerra do Golfo se juntaram a um movimento de milícia armada. Abrigados nas florestas do norte de Michigan, eles se prepararam para defender os Estados Unidos contra um exército das Nações Unidas, de acordo com a Nova Ordem Mundial de Bush, entraria na cidade que, de acordo com a Nova Ordem Mundial de Bush, entraria na cidade que brilha sobre a colina, ou seja, Washington DC, e desarmaria seus cidadãos: de agora em diante, governo global! O clímax foi o atentado a bomba em Oklahoma em 1995, no qual cento e sessenta e oito pessoas foram mortas. A questão só foi resolvida quando George Bush Jr. invadiu o Iraque doze anos depois, demonstrando ao mundo e a seus eleitores quem estava no comando, ou seja, os Estados Unidos, e removendo o ditador local com um mandato, não da ONU, mas do povo americano. Não se engane, essa era a mensagem: os Estados Unidos, em vez de se deixarem governar por um governo mundial, era esse mesmo governo mundial.

Covardes. As guerras incentivam as pessoas a conceber as nações holisticamente como indivíduos, atribuindo a elas propriedades como heroísmo ou covardia. Um país que entrega armas pesadas à Ucrânia, de acordo com o presidente francês, demonstra bravura, enquanto um país que prefere não entregar mísseis de cruzeiro de longo alcance a um governo tão confiável e prudente quanto o governo ucraniano é um covarde. O significado mais próximo de coragem, nesse caso, pode ser a disposição de assumir riscos sobre os quais os covardes, nas palavras de Bartleby, o escriba, diriam: “Prefiro não”. Na guerra, que, como já foi dito, é sobre morrer, uma coisa que deve ser absolutamente importante é a distribuição dos riscos, não apenas entre os países, mas também dentro dos países: a distribuição entre aqueles que assumem o risco e aqueles que têm de arcar com as consequências. Podemos presumir que há um bunker nuclear sob o Elysée. Da mesma forma, em 1918, o corajoso Kaiser e os corajosos assumidores de riscos Hindenburg e Ludendorff ainda estavam vivos e atuantes, ao contrário de dois milhões de soldados alemães. Essa é uma divisão de classes, que não é idêntica à divisão de classes do capitalismo, mas que, em grande parte, se sobrepõe a ela. De todo modo, a coragem daqueles que assumem os riscos deve ser redimida pela não covardia daqueles que sofrem as consequências. Instilar nesses últimos coragem suficiente para que eles resolvam consigo mesmos e uns com os outros o medo da morte e, consequentemente, “mourir pour Gdansk” ou sacrificar suas vidas pela devolução da Crimeia ao Estado ucraniano requer uma ajuda considerável de superiores corajosos. Sua bravura pode ser medida em termos do número de subordinados que estão dispostos a se expor ao risco de morte: uma bravura secundária que depende da bravura primária dos recrutas para colocar em prática a bravura primária de seus comandantes-chefes.

Uma nova cultura de guerra e paz. Com o avanço dos Verdes ao poder estatal, pelo menos na Alemanha, a arte diplomática de fazer as pazes com vizinhos desagradáveis, cultivada pela geração pós-Segunda Guerra Mundial, deu lugar à arte militar de disseminar a democracia. Agora, os vizinhos desagradáveis devem ser substituídos por vizinhos agradáveis. Entrar em guerra contra o autoritarismo e pela democracia tornou-se moralmente superior a viver e deixar viver, o que está associado a uma nova assertividade moral derivada de um profundo senso de superioridade moral de seu próprio modo de vida em relação ao dos outros, uma superioridade validada por aqueles que têm de viver sob regimes imorais e esperam que um regime moral seja finalmente trazido a eles. Isso impede qualquer compromisso, muito menos um acordo de paz, exceto com o propósito de enganar o inimigo, como Putin fez em Minsk, embora, é claro, o inimigo seja muitas vezes difícil de enganar. Na visão de mundo verde, como a dos neoconservadores, aqueles que lutam contra o modo de vida democrático ocidental não são apenas moralmente inferiores, mas também perigosos: eles sabem que só podem existir se estenderem seu sistema sobre nós, assim como nós sabemos que só podemos existir se estendermos nosso sistema sobre eles. Com a chegada dos Verdes, os “inimigos existenciais” de Carl Schmitt estão de volta: o fascista Putin, a organização militante islâmica Hamas.

Assassinos de aluguel. Quando o território precisa ser conquistado e mantido, a guerra se torna sangrenta, e aqueles que matam e aqueles que são mortos precisam se olhar nos olhos. O pessoal preferido para essas tarefas hoje em dia são os guerreiros por procuração e os mercenários: os primeiros são os exércitos regulares dos Estados presentes no campo de batalha, apoiados militar e financeiramente na retaguarda pelos Estados aliados, que dão as ordens nas operações de guerra; os segundos são legionários estrangeiros ou funcionários de empresas privadas de guerra. Exemplos disso são a Blackwater nos Estados Unidos e, até certo ponto, a Companhia Wagner na Rússia, que são subcontratadas para o fornecimento flexível de formas de violência complementares às das forças armadas nacionais. A guerra por procuração tem sido, há muito tempo, o modo preferido de intervenção externa dos EUA, enquanto a privatização da matança por meio da terceirização no mercado da violência parece estar avançando rapidamente. Por exemplo, durante os vinte anos de guerra no Afeganistão, 3.915 funcionários de fornecedores privados de violência foram mortos no lado dos EUA, em comparação com 2.354 soldados pertencentes ao exército regular dos EUA. Existem legiões estrangeiras aqui e ali, mas permanece uma relutância constante em usá-las em larga escala, em parte devido às habilidades avançadas exigidas na guerra moderna, mas também devido a dúvidas sobre sua disciplina e disposição para arriscar suas vidas. Entretanto, uma nova versão de uma legião estrangeira poderia ser a criação de um “exército europeu”, conforme previsto para lidar com a longa duração esperada da guerra na Ucrânia. Esse exército europeu poderia atrair recrutas de países pobres, até mesmo de fora da UE, oferecendo aos soldados, como no Império Romano, alguma forma de cidadania europeia como recompensa por um determinado número de anos de serviço. Por fim, empresas privadas de subcontratação podem ser usadas, especialmente no Ocidente, não apenas para lutar na linha de frente, mas também, e talvez principalmente, para auxiliar e treinar soldados regulares no uso da tecnologia avançada recentemente introduzida nos exércitos modernos. Observe que, nesse contexto, o bilionário Elon Musk forneceu assistência mais ou menos voluntária aos militares ucranianos por meio de sua rede de satélites de propriedade privada. Não sabemos quase nada sobre o motivo pelo qual ele interrompeu o serviço por um ou dois dias e o que o governo dos EUA lhe ofereceu ou ameaçou para que ele mudasse de ideia.

Heroísmo verde. O uso de assassinos contratados em suas várias formas é fundamental para a militância maniqueísta dos Verdes. Na Europa Ocidental, onde começaram como pacifistas, eles foram os primeiros a exigir a abolição do alistamento militar, o que conseguiram, auxiliados tanto pelo tipo de paz internacional que agora consideram imoral quanto pelo aumento da demanda por habilidades provocado pelos avanços na tecnologia militar. Derrotar “Putin”, ou seja, mandá-lo para Haia para ser julgado por sua Angriffskrieg [guerra de agressão], é uma obrigação moral para os Verdes alemães; o trabalho sujo, no entanto, é deixado para outros, em especial os ucranianos. Quando os conservadores alemães tentaram usar a guerra na Ucrânia para exigir a reintrodução do alistamento militar, foram rechaçados em termos duros pela liderança dos Verdes, que, como Ursula von der Leyen, presidenta da Comissão Europeia, é grata pelo fato de os ucranianos “morrerem por nossos valores”, em troca dos quais está ainda mais disposta do que os americanos a ajudá-los a fazer isso por meio de fornecimentos ilimitados de armas e recursos financeiros. No entanto, seu novo heroísmo termina aí. Essa posição é idêntica à de seus amigos neoconservadores norte-americanos, que preferem que a luta pela supremacia dos EUA seja travada por auxiliares não norte-americanos ao lado de empresas privadas norte-americanas.

Os benefícios socioculturais da guerra. Entrar em guerra contra um inimigo presumivelmente existencial pode ajudar a recuperar algo parecido com a unidade social em uma sociedade dividida: independentemente do que nos separa, viveremos ou morreremos juntos, ascendendo e caindo por nossos valores compartilhados. Diante do inimigo, lembramos o que temos em comum em vez do que nos divide. A política alemã e os meios de comunicação social, preocupados durante algum tempo com o impacto desmoralizante do pacifismo do pós-guerra na sociedade alemã, que seduziu as pessoas para uma existência acomodada, suavizante e desprovida de dignidade, que as levou a acreditar que um hedonismo feliz é a mais elevada realização da vida humana, redescobrem agora a necessidade de “tomar partido” do “Ocidente”, “particularmente da Ucrânia e de Israel, de tomar partido por um “jornalismo com atitude” (Haltungsjournalismus), por um Zeitenwende [mudança de rumo], que é algo mais do que gastos militares maiores e se torna um retorno a uma vida mais séria, mais responsável, mais adulta, na qual estamos preparados para morrer e nos deixar matar por nossos ideais. Sugerem-se semelhanças com os anos anteriores a 1914, quando a guerra parecia ser, para alguns da burguesia europeia, uma saída para uma existência satisfeita, mas sem sentido (lembre-se de Thomas Mann defendendo a cultura alemã contra a civilização francesa em 1914). Parece que, no fim das contas, nem tudo está dando errado no Ocidente, talvez nem mesmo na Alemanha: ao nos unirmos à guerra pela democracia contra o autoritarismo, acabaremos com a dúvida e o ódio por nós mesmos infligidos pelo “Sul Global”. Exigências de armas nucleares alemãs e, cada vez mais, até mesmo da presença de tropas terrestres alemãs na Ucrânia, são despejadas na grande mídia, como o Frankfurter Allgemeine Zeitung, enquanto testes de lealdade são aprovados com sucesso pela opinião pública alemã, mesmo quando ela silenciosamente olha para o outro lado quando raras imagens de crianças famintas em Gaza aparecem no noticiário. E como é apropriado que a nova unidade não seja incompatível com a recente feminização da política! As jovens mulheres dos Verdes parecem ser, no mínimo, tão militantes quanto os velhos homens de cáqui, talvez também porque aqueles mais queridos em seus corações políticos serão poupados da viagem aos campos de extermínio.